Somente Roraima e Rondônia devem ter maior rendimento da soja na safra 2017/18

Por Redação | 12/10/2017 às 16h

Somente Roraima e Rondônia devem ter maior rendimento da soja na safra 2017/18

Por Redação | 12/10/2017 às 16h

Apenas dois estados brasileiros devem apresentar elevação na produtividade da soja neste novo ciclo de acordo com a primeira estimativa de safra da Conab. Eles são: Roraima e Rondônia. Todos os demais devem registrar diminuição na comparação com o ciclo 2016/17, que foi de rendimento recorde em diversas partes do País.

O maior rendimento da safra deve ser registrado no Paraná (54,73 sc/ha), seguido por Santa Catarina (53,08 sc/ha), Rondônia (52,55 sc/ha), Minas Gerais (52,13 sc/ha), Distrito Federal (51,70 sc/ha) e São Paulo (51,50 sc/ha). Apenas os estados do nordeste e alguns do norte devem registrar rendimento abaixo de 50 sacas. Todos os demais, acima.

De acordo com o primeiro levantamento da Conab para safra 2017/18 as áreas com ocupação de soja vão realmente crescer sobre as que até então eram destinadas ao milho de primeira safra. A situação fica mais clara no Centro-oeste do país onde a área total com soja sobe entre a temporada passada e a nova cerca de 500 mil hectares. A elevação média total é de 2%, com ocupação de 15 milhões e 490 mil hectares.

O fator produtividade é o mais relevante para a safra 2017/18. De acordo com a Conab o clima não deve ser tão favorável como na última safra e, com isso, a produtividade média deve cair 7,4% na região Centro-Oeste. O distrito Federal apresentou queda de 10,1% na produtividade no 1º levantamento para a safra da Conab. Com isso, deve alcançar a média de 51,7 sacas por hectare.

Tem chovido no Centro-Oeste, mas de maneira muito mal distribuída e com baixíssimos volumes. Isso tem atrasado o plantio da soja na Região./ A previsão do tempo indica que as chuvas vão continuar irregulares até a última semana do mês de outubro. A Graziella Gonçalves conta pra gente mais detalhes sobre a previsão do tempo.

Acompanhe no Agricultura BR o indicador da soja para os Portos de Santos e Paranaguá.

 

TÓPICOS: Agronegócio Economia Brasil Soja